Exposição “Diagrama” na abertura da Galeria Elétrica

Em Belém quando pensamos em comprar ou consertar equipamentos de som, luz e imagem a referência é a travessa Frutuoso Guimarães, no Bairro da Campina, com suas mais de 30 lojas voltada ao comércio de eletroeletrônica em meio ao caos do Centro Comercial. Lojas e oficinas onde o low e o high tech , a pirataria de mídias e as rádios-cipó agora compartilham de um espaço ligado à arte contemporânea e suas interfaces tecnológicas. Uma iniciativa do professor e curador Ramiro Quaresma e da museóloga Deyse Marinho, que depois de mais de 10 exposições, em cinco anos, ligadas à arte e tecnologia como o Salão Xumucuís de Arte Digital e o Panorama da Arte Digital no Pará, transformaram o porão de casa na Galeria Elétrica, se inspirando na temática eletroeletrônica da rua e de suas experiências expográficas em artemídia.
As obras de arte digital de trinta artistas brasileiros que participaram das exposições do Xumucuís foram selecionadas para compor a exposição de abertura, “Diagrama”, com obras do acervo dos projetos. “A arte digital, em sua virtualidade e reprodutibilidade, criou novos dilemas para preservação e conservação de obras de arte. O acervo digital é guardado em discos rígidos e em nuvem, e as gravuras digitais já impressas sempre ocuparam as paredes de nossa casa. É uma nova concepção de coleção, não temos a propriedade delas, contatamos os artistas para propor essa exposição que revisita nossas exposições passadas e juntas e neste espaço simbólico adquirem novo sentido” comenta a museóloga Deyse Marinho, assistente de curadoria da exposição.
A proposta curatorial da exposição “Diagrama”, que inaugura a Galeria Elétrica, é composta de videoarte, projeções e gravuras digitais, e é uma referência do curador Ramiro Quaresma ao seu processo de pesquisa, idealização e realização das exposições “o diagrama é a primeira coisa que fazemos, dividindo os artistas em setores, em temáticas, pra depois subverter essa organização primeira para a fruição do público. Diagramar uma exposição é escrever com obras de arte, com o objetivo de levar ao público uma ideia, um conceito, uma imersão artística.”.
Os artistas convidados e que compõe a exposição, em ordem alfabética, são: Alexandre Silveira/sp, Algodão Choque/df, Cléber Cajun/pa, Denis Siminovich/rs, Diego De Los Campos/sp, Diogo Brozoski / rj, Diogo Vianna / pa, Eduardo Montelli/rs, Evna Moura/pa, Flamínio Jallageas/sp, Fernando Gregório & Vitor Negri/sp, Flávia Souza/pa, Henrique Montagne/pa, João Penoni/rj, John Fletcher / pa, Júnior Suci / sp, Leo Venturieri/pa, Lúcia Gomes/pa, Marcelo Armani / rs, Melissa Barbery / pa, Neuton Chagas / pa (in memorian), Paul Setúbal & Verônica Noriega /df, Pedro Vianna / pa, Renata Aguiar / pa, Ruma/pa, Shima /mg, Thales Leite/rj, Turenko/am, Valério Silveira/pa e Vanja Von Seck/pa.

Serviço:
Exposição “Diagrama”
Quando: 15 de Abril de 2016 às 20h.
Onde: Galeria Elétrica, Tv. Frutuoso Guimarães, 602. Campina. Belém-PA
Entrada franca

III Salão Xumucuís de Arte Digital : Mídias Selvagens

Lancamento III Salao Xumucuis de Arte Digital

O Salão Xumucuís de Arte Digital em sua terceira edição abre a chamada pública para receber inscrições para suas exposições a serem realizadas em Março de 2014. De 17 de Janeiro a 09 de Março através do site salãoxumucuisdeartedigital.wordpress.com e no e-mail xumucuis@gmail.com podem ser obtidas mais informação e o edital.

O tema desta edição é “Mídias Selvagens”, onde buscamos mais do que uma exposição, temos a intenção de discutir o espaço da arte contemporânea em plataforma tecnológica em Belém, na Amazônia e no Brasil, onde as obras transcendem o espaço expositivo convencional e se integram e transformam o cotidiano. Os trabalhos devem vir acompanhados de um dossiê assim como do currículo artístico e portfólio, e tudo que for pertinente para a análise dos projetos. São duas premiações, uma nacional e outra para artistas da região amazônica.

“O artista visual hoje em dia pensa em processos, construções poéticas, discursos, que vão além da obra de arte e é isso que queremos saber, como ele cria sua arte e como se relaciona com o mundo e seus dispositivos informacionais, tecnologia de ponta e obsoletos, em ambientes reais e virtuais” diz Ramiro Quaresma, idealizador e curador do Salão.

“Já montamos exposições nos melhores espaços expositivos de Belém, mas nesta edição optamos por não amarrar o artista ao cubo branco e expandir nosso circuito expositivo para a as possiblidades da cidade como um todo, rompendo com os muros que separam a sociedade e o sistema da arte contemporânea” comenta a coordenadora geral e designer expográfica do Salão, a museológa Deyse Marinho.

Em suas duas edições anteriores (2011 e 2013) e no Panorama da Arte Digital no Pará (2012) viabilizamos exposições com a participação de mais de 60 artistas de todo o Brasil, numa multiplicidade de obras que iam da arte sonora ao game arte, instalações e video performances, onde a arte e a tecnologia se integravam em um imersão aos sentidos, visitada por mais de 2000 pessoas, onde realizamos ações formativas para mais de 100 participantes entre artistas e estudantes.

O Salão de Arte Digital surge como proposta do pesquisador de artes visuais Ramiro Quaresma e da museóloga Deyse Marinho, que desde 2008 no blog Xumucuís (xumucuis.wordpress.com) discutem e divulgam artes visuais, patrimônio histórico e cultural, e museologia. Ano passado o Salão foi contemplado pela Funarte com o prêmio “Conexão Artes Visuais MINC/FUNARTE/Petrobras”, e nesta edição selecionado no edital Oi de Patrocínios Culturais, que também selecionou o projeto em sua primeira edição.

Informações e inscrições

III Salão Xumucuís de Arte Digital : Mídias Selvagens

xumucuis@gmail.com / facebook.com/salaoxumucuisdeartedigital  / twitter.com/xumucuis

Site: salaoxumucuisdeartedigital.wordpress.com

Edital: salaoxumucuisdeartedigital.wordpress.com/edital/

Período de Inscrição 17 de Janeiro  a 09 de Março de 2013

Uma realização Xumucuís, com apoio cultural do instituto Oi Futuro e patrocínio da Oi.

Catálogo do II Salão Xumucuís de Arte Digital

Foram 20 obras selecionadas e 10 artistas paraenses convidados exibidos em 02 hiper_espaços expositivos, CCBEU e MEP. A versão digital do catálogo permite que os trabalhos continuem expostos no ciberespaço, em um processo democrático de difusão da arte contemporânea, aberto para a pesquisa e crítica. Acesse, baixe e compartilhe esse projeto pioneiro em arte e tecnologia na Amazônia, contemplado no edital nacional Conexão Artes Visuais MINC/Funarte/Petrobras e selecionado nos editais de pauta do MABEU e SIM/SECULT. >>>>>>>>>>>>>> http://salaoxumucuisdeartedigital.wordpress.com/catalogo-segunda-edicao/