Exposição e bate-papo com o fotógrafo Marc Dumas

ikaros_conviteBelem

O salto, o impulso que faz os meninos imitarem o voo dos pássaros. Por apenas alguns segundos, eles flutuam entre o céu e a terra. Nesses instantes preciosos, o olhar estrangeiro de Marc Dumas se mostra atento. Uma mostra das imersões do fotógrafo francês por terras baianas em busca das aventuras de crianças enquanto brincam de voar estará em cartaz na exposição “Ikaros”, que abre no próximo dia 8 de janeiro naKamara Kó Galeria.

Trazendo no título o mito do homem que forjou asas de cera para alçar a liberdade, a mostra reúne 25 imagens. “Ikaros” é o desdobramento da pesquisa a flor da água iniciada durante a realização da primeira série de Dumas no Brasil, intitulada “Porto da Barra”. Sempre na mesma praia,o fotógrafo se concentra desta vez em torno dos meninos e rapazes que vêm mergulhar do alto do famoso trampolim localizado na praia do Porto da Barra em Salvador, na Bahia.

Ao contrário do mito de Ícaro, no paraíso dos meninos não há nenhuma fatalidade. “Saímos da água mais vivos do que nunca e começamos de novo, por puro prazer, sob o olhar zombeteiro das gaivotas”, narra Marc. “Estar no ar, driblar a lei da gravidade que nos obriga a cair na água, lugar de peixes”, poetiza o fotógrafo.

Num registro de sua experiência como expectador dos saltimbancos baianos, Dumas traduz em imagens o projeto no livro homônimo, que também será lançado na abertura da mostra.

Publicado no Brasil em 2011 pela Editora Tempo d’Imagem, “Ikaros” traz depoimentos de Marc. “Os mergulhadores ocasionais do Porto da Barra se jogam espontaneamente na água, e garantem o espetáculo. A foto os promove talvez… mas bem mais importante é o prazer de flutuar no ar um lapso de segundo”, diz o artista. “O gesto é a antítese do desempenho profissional, pois é uma busca da felicidade e da liberdade. Ficar suspenso num equilíbrio improvável, numa posição incongruente, mas que não deixa de ter lá sua elegância, tanto da parte do mergulhador como do fotógrafo”, completa Dumas.

Essa exposição conta com os benefícios da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e ao Esporte Amador Tó Teixeira e Guilherme Paraense, com o patrocínio da BLB Eletrônica.

 

Sobre o artista

Marc Dumas nasceu na França em 1955 e vive em Paris. É designer gráfico e multimídia, ilustrador e fotógrafo. Dirige na capital francesa a editora e agência Tout pour Plaire, especializada em comunicação cultural. Tem publicados, entre outros, três livros de fotografias: Porto da Barra (2009), Robomorphe (2011) e Ikaros (2011), editado no Brasil pela Editora Tempo d’Imagem. É professor de comunicação visual da École Camondo, em Paris.

SERVIÇO DA EXPOSIÇÃO

Abertura da Exposição “Ikaros”, de Marc Dumas, na Kamara Kó Galeria (Travessa Frutuoso Guimarães , 611, Campina), dia 8 de janeiro, às 19h30. Visitação de 9/01 a 19/01, de 15h às 19h (terças, quartas, quintas e sextas), e de 10h às 13h (sábados). Entrada franca. Informações e agendamentos: 91.32614809 | 91.32614240 kamarakogaleria@gmail.com | www.kamarakogaleria.com

CAFÉ FOTOGRÁFICO

CafeFotografico-emailMKT (4)

 

EXPOSIÇÃO “ANTES DE ONTEM, ONTEM E HOJE” DO FOTÓGRAFO MATEUS SÁ

“Antes de ontem, ontem e hoje” é um projeto de pesquisa e exposição que tem como objeto o acervo analógico do fotógrafo Mateus Sá, constituído por fotografias e áudios captados durante os anos de 1997 a 2008. A pesquisa, que  teve início em junho de 2011, contempla o recondicionamento e organização de todo o acervo, assim como, a edição de imagens que irão compor uma exposição a ser realizada em dezembro de 2011 no Centro Cultural do Correios de Recife-PE. A exposição será dividida em três ambientes interligados e compostos por ampliações fotográficas em tamanhos e suportes variados, instalações fotográficas e áudio visuais. A intenção é possibilitar a ressignificação das imagens que compõem o acervo. O material vem sendo editado por Mateus e o curador do projeto, o artista visual e agitador cultural, Ricardo Peixoto. Além da exposição serão confeccionados um Catálogo, DVD multimídia e um Blog.
O projeto foi contemplado no edital do Centro Cultural Correios e terá sua primeira montagem em Recife-PE, no período de dezembro de 2011 a fevereiro de 2012.

Antes de ontem, ontem e hoje também recebeu o convite da Associação Fotoativa de Belém-PA, para que a exposição ocupe a galeria de sua sede no segundo semestre de 2012. Possibilitando uma maior aproximação entre dois importantes polos da fotografia contemporânea (Recife/Belém).

Mateus Sá, ao longo de 14 anos de produção (1997 a 2008), acumulou um grande número de fotogramas sobre diversos assuntos. Durante esse período desenvolveu algumas pesquisas e ensaios simultaneamente. Podemos destacar a pesquisa sobre as comunidades nativas do litoral pernambucano e do Arquipélago de Fernando de Noronha, desenvolvida durante cinco anos, sendo publicada no livro “Luz do Litoral” em 2005. A documentação sobre o maracatu rural “Cambinda do Cumbe”, realizada ao longo de 8 anos e publicada no livro “A Cambinda do Cumbe”em 2006. A documentação da comunidade indígena “Xucuru do Ororubá”, iniciada no ano de 2001 e ainda
em andamento. Documentação do movimento dos “Poetas Marginais” de Pernambuco, em andamento. Séries sobre impactos ambientais ocasionados pelo crescimento desordenado das cidades e ensaios sobre diversas manifestações da cultura popular nordestina, romarias, religiões afro brasileiras, cotidiano das cidades de Olinda e Recife.

Com exceção do “Luz do Litoral” e “A Cambinda do Cumbe”, praticamente todo o material é inédito. São tantas imagens que o autor não tem noção da quantidade guardada em seus arquivos.
Mateus tanto fotografava como captava o áudio desses momentos. Paralelamente anotava as ideias que iam surgindo sobre como utilizar esse acervo. Todas as anotações foram sendo guardadas numa pasta que foi denominada de “pasta das ideias”.

Com o decorrer do tempo esse acúmulo de material passou a incomodá-lo. “Sempre tive o sonho de colocar tudo isso na rua, dividir meu olhar com o olhar do observador”. “Antes de ontem, ontem e hoje” cumpre esse papel, possibilitando ao autor colocar em prática parte das ideias que surgiram durante esse período e que foram guardadas na referida pasta.

Fonte: blog de Mateus Sá