“Imagem, realidade e fabulação” palestra de Alexandre Sequeira no IAP

“Imagem, realidade e fabulação” no IAP

A palestra do fotógrafo e pesquisador Alexandre Sequeira, que faz parte da programação do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, será nesta quinta-feira, 17 de maio, a partir das 19h, no Instituto de Artes do Pará, com entrada franca.

Alexandre vai abordar a pesquisa que ele realizou durante o ano de 2010, quando frequentou a vila de Lapinha da Serra, município de Santana do Riacho, na região da Serra do Cipó. O trabalho foi objeto de pesquisa de sua de dissertação de Mestrado, defendida na UFMG.

O trabalho desenvolvido em Lapinha da Serra, segundo Alexandre, tem o mesmo caráter relacional do desenvolvido em Nazaré do Mocajuba e de outro que ele realizou também com dois adolescentes residentes na ilha do Combú e no bairro do Guamá.

“Na verdade a fotografia se apresenta como um instrumento de aproximação e troca de impressões de mundo. O trabalho se afirma muito mais na relação que se estabelece do que na fotografia propriamente dita. Nesse sentido, a fotografia assume um caráter de documento construído a seis mãos, envolvendo eu, Rafael – um adolescente de 13 anos -, e seu avô, Seu Juquinha, de 84 anos”, diz ele referindo-se aos personagens focados neste último trabalho.

Durante o bate papo desta quinta-feira, Alexandre vai utilizar as imagens dessa experiência, além de pontuações teóricas para construir a conversa e a discussão com o público presente. “A palestra trata de nossa relação com a fotografia enquanto documento, enquanto memória de algo que efetivamente aconteceu. Mas a fala procura dirigir as atenções às relações que se estabelecem entre fotógrafo e fotografado, entre o que acontece antes ou mesmo depois do momento do registro. Relações estas que, de certa forma, relativizam ou ampliam esse valor de documento da fotografia”, diz Alexandre.

Laços – Ele conta que ao longo do período na Lapinha da Serra, a fotografia foi responsável pela construção de laços de convívio e afeto com alguns moradores locais, em especial com Rafael, de 13 anos, e sua família. “Refiro-me a um certo caráter performativo do ato fotográfico que envolve a todos que dele fazem parte e que, embora se tenha a impressão que diz respeito à uma produção fotográfica mais recente, na verdade acompanha a fotografia desde seu surgimento”.

Para Alexandre, as relações que se estabelecem a partir do convívio com as pessoas envolvidas e entre seus olhares e interpretações de mundo, tecem laços que os aproximaram enquanto permanentes construtores de sonhos, fantasias e desejos.

“A fotografia, que por vezes animou esse convívio, se apresentou tanto como instrumento de construção de uma etnologia da saudade – por seu inegável valor documental –, quanto por seu potencial emancipador, dada a perda de sentido de realidade que suas possibilidades interpretativas suscitavam”, continua.

Foi nessa perspectiva que palavras, imagens e acontecimentos animaram o convívio de Sequeira com Seu Juquinha e Rafael e por assim em diante se converteram em uma história, com elementos que se oferecem como fio condutor para a construção de uma narrativa capaz de tratar dos espaços da diferença e da alteridade.

O conjunto de fotografias produzidas ao longo dos dois anos pelo artista e por Rafael é guardado por ambos –, como um banco de dados passível de diferentes interpretações. Do mesmo modo, os relatos de Seu Juquinha, que por tantas vezes conduziram Sequeira por entre palavras, pausas ou entonações, no desafio de subverter os regimes do visível e do invisível, também servem como elemento indutor de ressignificações da vida em Lapinha da Serra.

Os registros sonoros desses encontros, fragmentos de conversas e sons da ambiência do lugar, compõe uma partitura sonora que é também encaminhada de volta à vila, como contribuição ao trabalho educativo desenvolvido por alguns moradores no Espaço Cultural situado ao lado da pequena igreja local.

Memória e falas – A intenção é que o material possa servir como outra forma de tratar a história, a memória e as qualidades de Lapinha da Serra, junto às crianças e adolescentes, assíduos frequentadores daquele espaço; como um meio de replicar a fala de Seu Juquinha – figura tão importante para a vila –, dando ao passado através de sua permanente revisão, um sentido de retomada, essa sim, uma forma nobre da memória.

Depois que defendeu a dissertação, Alexandre foi convidado a falar do projeto numa exposição em São Paulo, chamada “Por aqui, formas tornaram-se atitudes”. A exposição reunia nomes da cena das artes visuais como Helio Oiticica, Ligya Clark, Ligia Pape, Laura Lima e muitos outros.

Em seguida, ele também foi convidado a falar no Festival Internacional de Porto Alegre, no Festival de Fotografia de Recife, no Festival Internacional de Fotografia do Rio, no Festival de Fotografia de Manaus, numa palestra que proferi para o curso de Pós Graduação de Fotografia da Faculdade Armando Álvares Penteado em SP, em um curso de fotografia realizado no MAM de São Paulo e, mais recentemente, no Festival Internacional de Fotografia de Montevideo.

Já há algum tempo que o pesquisador não volta à Lapinha da Serra, um vilarejo bem isolado, no meio da Serra do Cipó. No mês que vem, porém, ele regressará à vila. “Em função desta distância e de minha agenda que tem sido um pouco corrida, não tenho tido oportunidade de manter contato com Rafael e Seu Juquinha, mas no fim de junho farei uma fala sobre a experiência em Belo Horizonte, no Palácio das Artes, dentro de uma exposição da qual farei parte, e já estou me programando para conseguir um carro e ir encontrá-los”, finaliza.

Serviço

Palestra “Imagem, realidade e fabulação”, com o fotógrafo e pesquisador Alexandre Sequeira – Nesta quinta-feira, 17/05, a partir das 19h, no Instituto de Artes do Pará, com entrada franca – Pça Justo Chermont, ao lado da Basílica de Nazaré.

Fonte: Assessoria Prêmio Diário.

Lançamento do III Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e do catálogo 2011

Lançamento do III Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e do catálogo 2011

 

No dia 1° de fevereiro, quarta, às 19h, acontecerá o coquetel de lançamento da terceira edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, com o tema “Memórias da Imagem”, e do catálogo da edição de 2011, que teve o tema “Crônicas Urbanas”.

Durante o evento, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, a vencedora do Prêmio Diário do Pará de 2011, Roberta Carvalho, projetará nos jardins a sua obra Symbiosis. Ela fará ainda a doação de uma obra ao Museu da Universidade Federal do Pará, iniciativa que concretiza um dos grandes objetivos do Prêmio: a contribuição para a formação de acervos.

 

O catálogo

 

            O catálogo do Prêmio de 2011 reúne os trabalhos dos 21 artistas selecionados naquela edição, entre eles os três premiados – Silas de Paula (CE, Prêmio Crônicas Urbanas), Leonardo Sette (PE, Prêmio Diário Contemporâneo) e Roberta Carvalho (PA) – e ainda fotografias da mostra convidada do ano passado, Diários da Cidade, integrada por obras de fotojornalistas do jornal Diário do Pará, e a série Solitude, de Luiz Braga, artista convidado da segunda edição.

Além disso, a publicação traz textos do curador do Prêmio, Mariano Klautau Filho, do professor de filosofia Ernani Chaves, da curadora e pesquisadora em arte Marisa Mokarzel e a transcrição do encontro do público com o curador e pesquisador Tadeu Chiarelli (SP), que fez parte da comissão julgadora e abriu a programação de palestras de 2011.

Assim, a intenção do projeto com o catálogo é de que este cumpra o papel não apenas de uma memória do projeto, mas também de fonte de pesquisa sobre a fotografia e a arte contemporânea no Brasil. E com este objetivo a publicação será distribuída a instituições da área, cursos de graduação e pós-graduação em Artes e bibliotecas de todas as regiões do país e também poderá ser visualizada em breve no site do projeto.

 

Memórias da Imagem

De acordo com Mariano Klautau Filho, os temas do Prêmio são sempre “pensados como questão, proposição para o artista”, “é sempre um modo de tratar a fotografia como um meio e linguagem que atua no campo da arte”. Neste ano, o tema Memórias da Imagem “é um modo de pensar a fotografia como uma memória que acontece no aqui e agora. E também pensar nas memórias que nós, ao ver ou produzir imagens, atribuímos a elas”.

O edital de 2012 já está disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br e também no escritório do Prêmio (Rua Gaspar Viana, n. 773), no Instituto de Artes do Pará, Casa das Onze Janelas, Associação Fotoativa, Sol Informática e Museu da UFPA. As inscrições podem ser feitas até 18 de fevereiro, gratuitamente. Os artistas devem depositar pessoalmente ou por correio o dossiê e/ou portfólio somente em formato impresso para análise da comissão julgadora, junto com a ficha de inscrição devidamente preenchida.

Serão oferecidos três prêmios no valor de R$10.000,00 cada: Prêmio Memórias da Imagem, Prêmio Diário Contemporâneo e Prêmio Diário do Pará, este último dedicado somente aos artistas do estado. No total, serão selecionados até 23 artistas – incluindo os três premiados – que participarão da Mostra III Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, na Casa das Onze Janelas, de 28 de março a 27 de maio de 2012.

O projeto é uma realização do jornal Diário do Pará e conta com o patrocínio da Vale e apoio do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas do Sistema Integrado de Museus/Secult-PA, do Museu da UFPA, da Sol Informática e do Instituto de Artes do Pará.

 

Serviço: Dia 1° de fevereiro, quarta-feira, às 19h, coquetel de lançamento do III Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, com o tema “Memórias da Imagem”, e do catálogo da segunda edição, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Na programação, projeção da obra Symbiosis da artista Roberta Carvalho, vencedora do Prêmio Diário do Pará de 2011. Entrada franca. Patrocínio: Vale. Informações: (91) 3184-9327 / (91) 8128-7527.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia